quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Arrábida: Alentejo Central

Poema do poeta da Arrábida, Sebastião da Gama, para a Poetisa do Alentejo

Florbela

(em sua memória)

Sou eu, Florbela! Aquele que buscaste.
Falam de mim Teus versos de Menina.
Tua boca p'ra mim se abriu, divina,
mas foi só o Luar que Tu beijaste.

Hás-de voltar, Florbela!… Em débil haste,
por entre os trigos cresce, purpurina,
a mais fresca papoila da campina
que, só por me veres, não cortaste.

Eu tenho três mil anos: sou Poeta.
Surgi dos lábios secos dum asceta,
de uma oração que Deus deixou de parte.
Redimi tantos corpos, tantas vidas

neles vivi, que sinto já nascidas
asas com que subir para alcançar-Te
(…)


Arrábida, 6-11-1943



(«Revista Alentejana»)

Sem comentários:

Enviar um comentário